sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Vivendo Com Os Mortos (Live With The Dead, 2007)


Com um roteiro engraçado e sangrento, Mike Richardson cria um excelente apocalipse Z, em apenas três edições, altamente engraçado e com um final levemente surpreendente!
Conta à história de dois amigos vivendo – muito bem por sinal - num mundo infestado por zumbis. Mas essa sua jornada por sobrevivência, está prestes a ser abalada pelo aparecimento de um novo membro no grupo: uma garota!!! Agora com os nervos a flor da pele, graças a nova companheira, eles terão de se manter unidos para sobreviverem ao mundo infestado, e viverem uma nova disputa: quem vai ficar com quem?
Vivendo com Os Mortos, vai em direção oposta a uma história de zumbi clássica, e troca a tensão pelos risos – estilo seguido por Zumbilândia – criando uma excelente comédia. Aqui os sobreviventes usam máscaras de zumbis – que a propósito vem de brinde na HQ, para o caso de uma infestação, mostrando que os criadores da HQ, se preocupam e muito com o bem estar dos seus leitores – para se camuflar entre os mortos, e poderem passear ilesos pela cidade. A diversão é o objetivo principal dos protagonistas, com direito a shows feitos da cobertura de seu prédio para uma platéia de mortos – tem coisa mais Rock N’ Roll que isso?
O roteiro de Mike é divertido e envolvente, e casa bem com as ilustrações simples porém detalhadas de Ben Stenbeck, a sensação que fica é que a  HQ é boa demais para apenas três edições, e fica a esperança para uma futura continuação, ou pelo menos uma obra semelhante.
Para todos os fãs de zumbis essa obra é mais que recomendada, por mostrar uma visão diferente de um apocalipse Z, e para dar muitas idéias caso aconteça um eventual apocalipse. A propósito, cada edição da HQ, vem não só com uma máscara – inteiramente grátis – mas também com uma excelente receita, pelas mãos do próprio Chef Billy King – só não me perguntem o que isso tem haver!




Roteiro: Mike Richardson
Arte: Ben Stenbeck
Editora: Dark Horse

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Os Homens que Não Amavam As Mulheres (Män Som Hatar Kvinnor, 2008)


Stieg Larsson, jornalista sueco e ativista político, morreu em 2004 aos 50 anos, e infelizmente não viveu para ver o fenômeno mundial que sua obra se tornou, Best-Seller em vários países, e com mais de 15 milhões de exemplares vendidos, a Trilogia Millenium, é uma das mais bem sucedidas obras da atualidade, e com uma trama original e personagens fortes, conquistou tanto público quanto a crítica.
O famoso jornalista Mikael Blomkvist diretor da cultuada revista Millenium, se encontra a beira da falência, depois de perder um processo, por ter publicado uma matéria “infundada” sobre um famoso industrial sueco. Depois de se afastar da revista por uns tempos, e com a moral baixa pelo país,  Blomkvist recebe uma estranha proposta do milionário Henrik Vanger: Escrever uma biografia enaltecendo todos os podres da família Vanger e desvendar o desaparecimento de Harriet Vanger, que sumiu aos 16 anos sem deixar vestígios e nunca mais foi encontrada!
Promovendo uma investigação sem provas e evidências, Blomkvist se vê perdido, mas acaba contando com uma ajudante um tanto quanto peculiar.
 Lisbeth Salander, é uma jovem hacker, anti-social e revoltada, uma garota problemática com um talento ímpar para investigações ilícitas, mas que vive a mercê de seus tutores. Num de seus serviços, ela acaba topando com Mikael Blomkvist, e quando menos espera estará fazendo parte de uma investigação, que desafia todos os envolvidos, e permanece insolúvel a mais de quarenta anos.
Apesar de supostamente lembrar um típico romance policial, a trama criada por Stieg Larsson vai além, e esbanja em originalidade e qualidade. Envolvente do início ao fim, a trama de Larsson, mostra uma intricada busca pelo paradeiro de Harriet, tendo como protagonista um Mikael Blomkvist, que mesmo não tendo a capacidade dedutiva – e um tanto quanto forçada – de um Sherlock Holmes, conta com seus próprios meios e intuições, além de contar com a infinita fonte de informações que é Lisbeth, permitindo aos dois desvendar um “crime” que até a polícia tinha desistido.
Outro grande fator que contribuiu para que “Os Homens que Não Amavam as Mulheres” se tornasse um Best-Seller foi o realismo e excentricidade das personagens. Com personalidades profundas, os protagonistas da obra não são superficiais em nenhum momento, o que acaba cativando o público. Além de Blomkvist e Salander,  Érika Berger, Henrik Vanger, Martin Vanger, Cecília Vanger, Nils Bjurman, Dirch Frode entre outros, são algumas das excelentes personagens que dão vida a essa fantástica trama.
Mikael Blomkvist um jornalista investigativo, com uma vida sexual nada ortodoxa, que vive um triângulo amoroso com a sua sócia Érika Berger – com o consentimento do marido – e nunca está fechado para relacionamentos. Um jornalista justo e honesto, que não usa de meios ilícitos para crias suas reportagens, mas que odeia a hipocrisia e vai contra tudo e todos com os quais não concorda.
Lisbeth Salander, é o grande chamariz da obra. A bissexual Lisbeth vive uma vida fora dos padrões comuns, e vive a mercê do preconceito e abusos das autoridades. Inteligente, independente, destemida e violenta, Lisbeth Salander é uma das melhores personagens criadas ultimamente, e funciona como um símbolo da alma da mulher.
Recheado de política, negócios, intrigas, depravações e  mistérios, “Os Homens que Não Amavam as Mulheres”, é uma das melhores obras literárias escrita nos últimos anos, e com originalidade, foge dos clichês  para figurar no topo como uma das melhores obras “policiais” de todos os tempos.



Escritor: Stieg Larsson


segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Amnésia (Memento, 2000)


Conhecido mundialmente por Batman e seu badalado Origem, Christopher Nolan figura atualmente com um dos melhores diretores e roteiristas do cinema. Porém até hoje um de seus mais elogiados filmes, é seu segundo trabalho: Memento, que com um roteiro esplêndido e inteligente, inicia com chave de ouro a carreira de um dos melhores cineastas da atualidade.
O filme conta a história de Leonard (Guy Pearce), um homem que teve a mulher cruelmente assassinada, e agora tem como única motivação na vida se vingar do assassino, mas tem um porém, desde a tragédia ele sofre de uma singular condição: ele não se lembra de nada a partir do assassinato, e esquece qualquer coisa que aprenda recentemente. Com esse branco permanente na memória, a única forma de Leonard prosseguir com sua investigação é fazendo anotações ao longo do corpo, e tirando fotos de pessoas que ele não se lembrará minutos depois. Auxiliam-no nessa empreitada Teddy (Joe Pantoliano) e Natalie (Carrie–Anne Moss), mas sem se lembrar de ninguém, fica difícil saber em quem confiar!
Mesmo sendo seu segundo filme, Christopher Nolan já mostrava maturidade e afinidade com roteiros intrincados, e faz da jornada pessoal de Leonard algo no mínimo confuso. O fato de ele não se lembrar de nada passados alguns minutos, é aonde o roteiro acerta, criando excelentes situações, e é com tatuagens ao longo do corpo, anotações em fotos, lembretes – sempre escritos por ele mesmo – que Leonard conduz sua investigação às cegas, tentando descobrir em quem pode confiar.


Mesmo considerado um dos melhores filmes do ano, Memento conta com um orçamento bastante baixo, pequeno elenco e trilha sonora pouco memorável, mas o que contribui para o seu sucesso, foi além do excelente roteiro de Nolan, a sua montagem. Fugindo do habitual, Memento é montado de trás pra frente, de forma que cada cena posterior, anteceda a cena anterior – complicado não? Pois é – dando uma idéia rápida de como Leonard vê as coisas, e intercalando cada cena, com uma cena em ordem cronológica, onde Leonard conversa ao telefone contando sobre uma pessoa que ele conhecia e que tinha o mesmo problema que o seu – explicando para o espectador, mais de seu peculiar problema. O resultado é um fantástico quebra cabeças, realmente confuso, que começa de trás pra frente, e onde todas as peças se encaixam no final – e não no começo!?
Memento não é um filme feito para o grande público, mas se você não entender, pode comprar o DVD, e assistir em ordem cronológica – que vêm no bônus- mas isso tira todo charme da obra.
(…)
Conhecido mundialmente por Batman e seu badalado Origem …






Direção: Christopher Nolan
Roteiro: Christopher Nolan, Jonathan Nolan (conto)
Duração: 113min
Distribuidora: Paris Films


sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Hellboy: Cronologia



Hellboy - Contos Bizarros Vol. 1 (2006)
B.P.D.P.: Bureau de Pesquisas & Defesa Paranormal - Volume 1 (2006)
Hellboy - Contos Bizarros Vol. 2 (2007)
Hellboy - A feiticeira de Troll e Outras Histórias (2008)


Hellboy: A Tempestade (The Storm)


A continuação direta de A Caçada Selvagem, vai dando tons apocalípticos a cronologia de Hellboy, e  o coloca como um peão na batalha de duas poderosas bruxas.
Na Inglaterra, os corpos dos cavaleiros mortos começam a desaparecer misteriosamente, mas Hellboy sabe que não foram roubados. Hellboy está viajando com a garota que ele salvou – o bebê de O Cadáver, que agora já está bem crescidinha – refletindo sobre os acontecimentos recentes. Eles estão viajando de carro, quando uma estranha criatura ataca-os ferozmente. Durante uma violenta batalha entre Hellboy e a criatura – que é um simples duende modificado pelo poder de Nimue, a nova rainha das bruxas – lhe é revelado que Mab, a ultima rainha dos Tuatha de Dannan está morta, e agora está livre o caminho para Nimue invocar o seu exército.
 Enquanto isso, Gruagach está fugindo, quando encontra o espírito de Merlin, que conta como foi traído por Nimue, e como é grande o mau que Gruagach libertou. 
Hellboy usa a Excalibur para vencer a criatura, que antes de morrer revela que sua vitória é inútil, uma vez que Nimue está se tornando algo mais... Hellboy e sua garota se abrigam da chuva em um bar, enquanto assistem a notícias de que monstros estranhos estão aparecendo por todo mundo. Hellboy ainda está divagando sobre seu papel nessa história, quando ele vê do lado de fora do bar, todos os cavaleiros mortos reunidos. Hellboy decide não tomar partido, e ir contra o destino revelado por Morgana La Fey, deixa a Excalibur com a garota e parte deixando seu exército para trás. Viajando sozinho, ele encontra Gruagach enforcado – mas vivo, pois foi amaldiçoado com a imortalidade para ver a destruição do mundo – que lhe implora pela morte. Hellboy se depara com um estranho mendigo, que lhe mostra como é gigantesco o exército de Nimue, e como seu exército é impotente diante dela, o mendigo deixa claro que só com o seu verdadeiro exército – o que fica no inferno – Hellboy pode vencê-la. Hellboy, se revolta e o ataca, e descobre que ele na verdade é Astaroth, que anseia que o demônio cumpra seus objetivos.
Nesse mesmo estranho dia, Hellboy ainda se depara com Baba Yaga, que fala que não tem mais planos para o mundo, uma vez que a Rússia como ela conhecia já não existe mais, e pegue que Hellboy lhe pague a dívida. Hellboy entrega seu próprio olho para a bruxa...
Nimue é abordada por uma bruxa, que lhe revela uma verdade terrível: Ogdru Jahad vai renascer no corpo de Nimue...


     
Roteiro: Mike Mignola
Arte: Duncan Fegredo
Editora: Dark Horse




quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

O Operário (El Maquinista, 2004)


Bebendo da fonte de O Clube da Luta, Brad Anderson mergulha nos sombrios recantos da mente para criar esse excelente suspense psicológico.
Trevor Reznik (Christian Bale), é um operário de uma indústria que leva uma vida sedentária. Um dia ele conhece Ivan ( John Sharian) um funcionário que está substituindo um colega seu. Um dia observando Ivan trabalhar, Trevor se distrai, e acaba causando um acidente que leva a amputação de um colega. Agora, todos parecem estar contra ele, que se vê perseguido até pelos seus mais próximos companheiros, e a chave disso tudo pode ser Ivan. Mas quem é Ivan?
Ivan
Quem é Ivan? A pergunta que define boa parte da essência do filme, acaba não sendo sua grande atração. Méritos para Brad Anderson, Scott Kosar e claro Christian Bale, que acabam tirando o foco do misterioso Ivan, passando-o para um muito mais misterioso Trevor Reznik. Desde a cena inicial – que começa com Trevor, depositando um corpo no mar – já começam as perguntas sobre o personagem, alia-se isso à um visual decrépito, e saúde mental instável e o telespectador já não quer sair da frente da tela até descobrir o que Trevor tem.
O roteiro inteligente, e a trilha sonora influenciada por Hitchcock, fazem de O Operário um excelente suspense, mas o toque de mestre está na atuação magnífica de Christian Bale. Ser ator é ter a capacidade de incorporar personagens, mas Bale vai além, e com nuances de insanidade, se transforma literalmente em Trevor Reznik. Christian Bale conhecido mundialmente por Bruce Wayne em Batman, cometeu a loucura de emagrecer 28 QUILOS, para interpretar o cadavérico operário. Bale realmente rouba a cena em O Operário, e prova que tem uma ímpar capacidade de interpretar e incorporar papéis, além da sua desfiguração, Bale hipnotiza o público, com suas expressões faciais e hábitos doentios de Reznik, e abraça a idéia de passar uma sensação angustiante e claustrofóbica para quem assiste.
A surpreendente transformação de Christian  Bale

Insônia, emagrecimento, alucinações, e ataques histéricos, mostram como a mente é poderosa, e como um “simples” problema não resolvido, pode ser o catalisador de um efeito borboleta psicológico. Sem dormir a mais de um ano, e agora perseguido por seus colegas, Trevor leva o espectador e uma jornada angustiante, em busca de respostas, imerso num modo de vida nada saudável. A degradação do personagem é bem construída, e mostra com uma pessoa “normal” vai sucumbindo perante a loucura. Ao logo de sua jornada, vários itens e fatos que apresentados ao longo da trama, aparentemente aleatórios, vão se unir no fim como as peças de um intricado quebra cabeças mental, pois é só depois do desfecho da trama, que tudo o que parecia simples – ou não – anteriormente, passa a fazer sentido.
Enfim, O Operário é um excelente suspense sobre a mente, e mostra como somos frágeis perante nosso subconsciente, como problemas que todos passam como insônia, e stress podem ser potencialmente destrutivos, e como a sanidade pode ruir perante a tragédia!




Direção: Brad Anderson
Roteiro: Scott Kosar
Duração: 102min
Distribuidora: Castelão Producciones S. A., Filmax Group





quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Hellboy: A Noiva do Inferno (The Bride Of Hell)


Hellboy vai até a França a procura de uma jovem desaparecida. Em meio, a um ritual de sacrifício, Hellboy encontra a jovem sendo raptada por um demônio, e salva a jovem. Escondido dentro de uma capela, ele é instruído por um padre a derrotar o demônio enquanto ainda é tempo, antes que ele volte para reclamar a moça.
Hellboy, invade a toca da criatura. Lá, descobre que a coisa é Asmodeus, um antigo demônio escravizado por Salomão, que até chegou a reinar em seu lugar, mas que com o passar dos anos fugiu e morou no deserto com suas esposas, até se deparar com os “Cavaleiros de São Hagan” que destruíram seu pequeno reinado. Hellboy até aceita o fato de Asmodeus se vingar dos cavaleiros, mas não aceita a morte de tantas mulheres, e enfrenta o demônio. O que Hellboy num sabia porém, eram que as mulheres se entregavam de livre e espontânea vontade para Asmodeus, e descobre que a moça está correndo mais perigo do que parece sozinha na capela com o padre...
Uma rápida história que não tem ligação alguma com a sua cronologia, mas temos em Asmodeus, um potencial vilão, que pode voltar para uma futura vingança.
Mais uma vez os “Cavaleiros de São Hagan” são mostrados, sinal que Mignola realmente quer incorporá-los em sua cronologia. Aqui ele conta como o rei deles, entrou em batalha mesmo com a cabeça decepada.

Roteiro: Mike Mignola
Arte: Richard Corben
Editora: Dark Horse

domingo, 2 de janeiro de 2011

Hellboy: A Caçada Selvagem (The Wild Hunt)



Depois de escapar das garras de Baba Yaga em O Clamor Das Trevas, Hellboy agora deve encarar a nossa ameaça ressuscitada por Gruagach. As trevas vão se propagando, e o destino de Hellboy, vai ficando cada mais eminente.
Hellboy e os Gigantes
Hellboy está sonhando com o enterro de Dagda, o rei dos Tuatha de Dannan, quando recebe uma carta, convidando-o para uma caçada à Gigantes. Depois de ser traído, ele acaba tendo que combater os gigantes sozinhos, e derrota a todos liberando seu verdadeiro poder e identidade... Um velho conversa com Gruagach, que conta que fora um antigo príncipe élfico antigamente, mas agora está confinado na forma de Grom. O velho lhe entrega uma taça de sangue para reviver a feiticeira morta, com isso Gruagach espera ganhar como prêmio sua forma original. Depois de dar o sangue para a feiticeira morta, ela retorna a vida, e começa a reunir seu exército.
Depois Hellboy se encontra com uma certa garota – a mesma que ele tinha resgatado em O Cadáver – e juntos partem para ter com a Rainha Mab. Porém, novamente Hellboy cai numa emboscada, e a garota acaba envenenada. Agora, ele deve atravessar à ponte que leva ao castelo de Morgana La Fey, ponte essa que está guardada a mais de 30 anos por um demônio. Após conversar com Morgana, Hellboy descobre que sua mãe humana, era descendente do sangue real de Arthur, e portanto faz de Hellboy o rei da Bretanha, e detentor por direito da Excalibur. Morgana revela a Hellboy, que a Bruxa ressuscitada por Gruagach é na verdade Nimue, a Dama do Lago, que usurpou os segredos de Merlin.
Um duende leva até Nimue, a coroa de seu rei, dizendo que ele não poderia estar ali no momento, e a bruxa ordena que ele faça uma adaga da coroa, mate o rei, e da adaga faça um elmo para ela.
Hellboy ouve o Rei Vold, cavalgando pela noite, e uma voz lhe responde que a Caçada Selvagem começou, e que Hellboy deve pegar a Excalibur e lutar contra Nimue, para depois cumprir com seu papel na história. Porém nesse dilema moral, Hellboy acorda e descobre que a garota que ele ajudou está morta, e agora é confortado por Vaselisa. Hellboy decide acreditar em si mesmo, e retira a Excalibur da pedra, devolvendo a vida imediatamente a garota.
Longe dali, os estranhos aristocratas que levaram Hellboy a caçada dos gigantes – os mesmos que enviaram Hellboy, na luta contra o dragão em “A Natureza da Fera”. Que acaba se tornando um dos principais pilares da cronologia de Hellboy – assistem tudo por uma bola de cristal, esperando o momento em que ele morrerá, e eles finalmente poderão roubar sua mão.
Nimue
Agora é a vez da mitologia de Pendragon e dos cavaleiros de Arthur entrar em cena. Personagens como Morgana La Fey, e A Dama do Lago, passam a ser importantes integrantes do universo de Hellboy. Alguns personagens antigos, voltam rapidamente para apimentar a história, como o Rei Vold e Vaselisa. Os gigantes também passam a ter maior importância no bestiário de Mignola. O título Caçada Selvagem, é também uma lenda européia, na qual centenas de criaturas sobrenaturais, se uniam numa grande caçada. A caçada selvagem na mitologia é um presságio para um grande mal que está por vir.
Ainda contem duas pequenas histórias, uma contando como o Koshchei, se tornou imortal. E outra como Baba Yaga, comeu sua própria filha, história que revela que o estranho encapuzado que auxilia Baba Yaga, é na verdade a própria morte!!!




Roteiro: Mike Mignola
Arte: Duncan Fegredo
Editora: Dark Horse




Hellboy: O Clamor das Trevas (Darkness Calls)




Nessa trama que continua diretamente A Caixa do Mal, Hellboy será lançado numa jornada programada pela sua maior inimiga, e ainda podemos contemplar o possível nascimento de outro inimigo no panteão de Hellboy.
A história começa com Igor Weldon Bromhead – o mesmo que queria matar Hellboy, e acabou amaldiçoado por Astaroth – invoca Hecate, e passa a controlá-la através de seu verdadeiro nome: Ilsa Haupstein.
A história corta para três bruxas, que entalharam no chifre arrancado de Hellboy (A Caixa do Mal) e parecem profetizar algo estranho em relação a ele.
Em pouco tempo, Hellboy presencia: uma batalha entre cadáveres de bruxas e inquisidores, uma sinistra reunião de feiticeiras, e se vê cara a cara com Baba Yaga, que a anos espera para se vingar,.
Enquanto Hellboy enfrenta o exército de Baba Yaga, a reunião de feiticeiras discutem seu próximo passo, pois agora com a suposta destruição de Hecate, elas precisam de uma rainha para reinar. Gruagach(inimigo declarado de Hellboy, apareceu a primeira vez em “O Cadáver” e declarou guerra de vez ao final de “A Ilha”), invade a reunião e propõe um outro nome ao cargo...
Hellboy está em apuros no mundo de Baba Yaga, e só não é destruído graças a ajuda de Leshii, um rival de Baba Yaga. A bruxa por sua vez. Não está satisfeita, e mesmo depois de ter seu exército destruído pelo Leshii,  parte para buscar a ajuda de Koshchei. Após isso Baba Yaga, parte em busca de Perun - que por algum motivo está ajudando Hellboy - e o mata!!!
Agora sem a proteção de Perun, Hellboy é atacado por Koshchei, que não pode ser morto, independente do que ele faça, mais uma vez em cima da hora, Hellboy é salvo por Vasilisa, que mostra para o herói a saída para do mundo de Baba Yaga. Porém, antes de escapar, ambos são acertados por flechas de Koshchei, e Vasilisa perece nos braços de Hellboy, não sem antes lhe entregar dois presentes. Depois de morta, Hellboy confere que a verdadeira Vasilisa jazia morta a anos, e que a sua frente estava apenas um cadáver de boneca.
Após utilizar um dos presentes de Vasilisa, um gigantesco bosque nasce das raízes de Ygdrasil, e prendem Koshchei, mas baba Yaga que estava de posse da cabra que selava a alma de Koshchei, usa sua magia para renovar o Imortal, mais poderoso, e exigir a morte de Hellboy.
Longe dali, na Inglaterra, Gruagach invade uma igreja, e nos seus andares inferiores, encontra o túmulo que procurava: um enorme poço, aparentemente sem fundo. O gigante que guardava o local, aceita cooperar mediante a apresentação da carta das bruxas, e entra dentro do poço entregando a caixa para Gruagach, e depois disso sem querer saber o que vai acontecer com o mundo, se encerra dentro do poço!!!
Baba Yaga gasta todas as luzes de sua casa – as luzes eram almas aprisionadas pela bruxa – para manter Koshchei vivo na batalha contra Hellboy, e agora sem recursos, decide usar a última fagulha de alma que ela guardava dentro de uma casca de noz: a alma de Rasputin, mas é impedida por Koku, seu vassalo que arremessa a noz no fogo. Após fazer um ultimo ataque contra Hellboy, Koshchei falha, e Baba Yaga percebe que assim como Koshchei, Hellboy também é um imortal!
Depois de escapar do mundo de baba Yaga, Hellboy encontra entalhado em uma espada o nome de Igor Bromhead, e vai encontrar o vilão, que venceu e absorveu o poder de Hecate, mas que acabou sendo muito para ele. Agora já vencido, ele pede a Hellboy que o mate.
No reino dos duendes, Dagda o ancestral, tenta persuadir Gruagach de sua empreitada em ressuscitar uma poderosa bruxa, mas tem seus planos frustrados depois de ser assassinado pelo seu próprio vassalo. Agora o caminho está livre para Gruagach e a estranha carga que ele carrega na caixa de madeira...
Mais um arco de histórias, que dá continuidade a cronologia de Hellboy. Depois dos eventos que quase levaram Ualac a roubar a mão de Hellboy, agora Mignola lança seu personagem no próprio mundo de Baba Yaga, que anseia pela sua vingança. O Clamor das Trevas, ainda serve de prelúdio para uma personagem misteriosa, que pode entrar no topo da lista dos inimigos de Hellboy.
Como a maior parte do enredo se passa no mundo de Baba Yaga – algum lugar entre o mundo dos vivos e dos mortos – uma forte presença da mitologia eslava se vê aqui. Depois de fazer de Baba Yaga, uma das melhores personagens da série, baseando em lendas russas e criando sua própria personalidade da bruxa, Mignola resolve explorar mais o berço de Baba Yaga, e traz mais alguns personagens da mitologia eslava como: o Leshii, um espírito protetor da floresta, existente também em outras mitologias; Perun, deus do trovão e dos raios, que na história de Hellboy aparece desenhando os relâmpagos na areia, um excelente personagem que teve um fim muito precoce, ficamos a espera para ver se aparece de novo; Koshchei, o Imortal, personagem famoso de lendas russas, que guarda sua alma dentro de um ovo, dentro de um pato, dentro de um coelho, dentro de uma cabra. Na mitologia a lebre fica dentro de uma caixa, em baixo de um carvalho, mas no mundo de Mignola, Baba Yaga aprisionou a cabra, mantendo Koshchei como seu servo; Vaselisa, outra famosa personagem de um conto de fadas russos. Depois da morte da mãe, é maltrada por sua madrastra e suas filhas, e é enviada até a casa de Baba Yaga para procurar uma vela. Após fazer algumas tarefas para a Bruxa – auxiliada pela boneca que havia ganho de sua mãe - ela ganha um dos crânios que Baba Yaga usa como vela. O tal crânio acaba resultando na morte de suas meio-irmãs e de sua madrasta, lhe libertando assim de seu sofrimento.
O Clamor das Trevas, é também a primeira história fundamental da cronologia de Hellboy, não ilustrada por Mike Mignola, aqui os traços ficam a cargo de Duncan Fegredo. Mignola tinha imortalizado Hellboy graças a seus traços caricatos e sinistros, porém Fegredo arrebenta nessa edição, que mesmo não tendo um estilo tão caricato, dá uma alma diferente e mais séria para o mundo do herói. O destaque vai para as criaturas de Fegredo, que ficaram realmente fantásticas.

Roteiro: Mike Mignola
Arte: Duncan Fegredo
Editora: Dark Horse, Mythos Editora