sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Planeta Terror (Planet Terror, 2007)


Grindhouse’s eram salas de cinema existentes nos EUA, em meados de 60 / 70, onde eram passados filmes – geralmente em sessões múltiplas - de baixo orçamento – filme B – recheados de violência e sexo. É esse também o nome escolhido por Quentin Tarantino e Robert Rodriguez – fãs confessos desse tipo de cinema – para um projeto que os dois desenvolveram juntos. A idéia era cada um dirigir um filme, nos moldes destes passados nas Grindhouse’s e lança-lo no cinema como um filme só, com trailers fictícios e tudo. O problema é que “graças” a longa duração do projeto, as distribuidoras optaram por lançar esses filmes separadamente, e assim em 2007 saiu nos cinemas: Planeta Terror, a parte do projeto de Robert Rodriguez – A Prova de Morte, de Tarantino saiu só em 2010 com anos de atraso.

Uma curiosidade interessante, são os trailers fictícios que passam entre os dois filmes. Com enredos pitorescos e cenas cômicas e insanas, os trailers – que realmente fazem jus aos filmes trash da década de 70 – acabaram se tornando um sucesso cult, com alguns destaques como Werewolf Women of The SS, que tem a épica participação especial de Nicolas Cage, e alguns até acabaram virando filmes de verdade: Hobo With a Shotgun e o excelente Machete (que conta com um elenco recheado de estrelas).

Um acidente envolvendo o exército, acaba liberando um estranho gás tóxico no ar. Enquanto isso o casal de médicos Dr. William (Josh Brolin) e Dra. Dakota Block (Marley Shelton) acaba topando com uma noite atípica no seu plantão, e são obrigados a tratar de uma série de pacientes portadores de feridas terríveis, e altamente violentos. Uma das pacientes é Cherry Darling (Rose Mcgowan), uma striper que teve a perna DEVORADA por um dos zumbis. O seu ex-namorado  El Wray (Freddy Rodriguez), se une ao xerife da cidade, para combater os zumbis e liderar os sobreviventes até um local seguro.
A batalha pela sobrevivência, conta com centenas de zumbis sendo obliterados, em seqüências nojentas, e gore pra dar e vender, sem falar em situações imortais, como por exemplo o fato de Cherry Darling usar uma metralhadora como prótese – que acabou se tornando a maior merchandising do filme. Destaque também para as participações especiais de: Quentin Tarantino, Bruce Willis, e FERGIE, isso mesmo a musa do Black Eyed Peas que é devorada por zumbis.  
Típico de um filme de Grindhouse, o roteiro é simples e pastelão, e não tem a preocupação de contar uma boa história, o grande atrativo do filme, são as cenas de ação, que com um nível exacerbado de Splater, figura com um dos filmes mais violentos e mais nojentos do gênero – mais que Dead Snow. A fotografia do filme é suja e manchada – por opção do diretor – funcionando como um verdadeiro Trash setentista, sendo um dos destaques do filme.
Juntando a fotografia “ruim” – que é divertida pra kacete – a trilha sonora típica, e muito sangue e piadas toscas - vai o destaque para J. T. (Jeff Fahey) que passa o filme todo procurando o tempero ideal para o seu churrasco – temos em Planeta Terror, um filme divertido, que foge do habitual e da mesmice.
Vale lembrar que Quentin Tarantino e Robert Rodriguez são conhecidos pelo seu jeito próprio de fazer filmes, priorizando muito mais o prazer de filmar, do que as bilheterias, o que acaba criando um estilo próprio, bastante apreciado pelos fãs, mas que não agrada a critica e o mainstream. Planeta Terror é mais um desses filmes, voltados para uma classe específica de espectadores, portanto se você não é fã desses diretores, ou de filmes Trash, não vai esse filme que vai mudar seu modo de pensar, porém se você é  um fã descarado de sexo, sangue e nojeira, então Planeta Terror foi feito para você. 




Direção: Robert Rodriguez
Roteiro: Robert Rodriguez
Duração: 105min
Distribuidora: Troublemaker Studios, Dimension Films,


Um comentário: