domingo, 26 de dezembro de 2010

Hellboy: O Verme Vencedor (Conqueror Worm)


Uma minissérie sem ligações imediatas com a cronologia de Hellboy, mas uma excelente história que traz de volta alguns personagens e conceitos, do mundo do vermelhão.
A história começa no passado, mostrando nazistas se preparando para enviar um foguete ao espaço, porém mesmo conseguindo realizar essa façanha, eles são atacados por Lagosta Johnson – um famoso personagem fictício, que Hellboy acredita que existiu – e o topo do castelo explode matando todos lá dentro. Agora o governo descobriu, que um projétil nazista – o mesmo lançado naquela época – está retornando à Terra, e seu destino é o mesmo Castelo Hunte de seu lançamento. Pra investigar, são enviados Hellboy, Roger – o homúnculo de “Quase um Deus” – e Laura Karnstein, uma policial austríaca que servirá de guia.
Porém ao chegarem perto das redondezas do castelo, são atacados por uma metralhadora, Roger cai no abismo, enquanto Hellboy ferido é preso no castelo. A traidora Laura, na verdade é Inger Von Klempt, neta do lendário Herman Von Klempt – a cabeça voadora. Roger é salvo por ninguém mais ninguém menos que o próprio Lagosta Johnson, e os dois partem para salvar Hellboy.
Hellboy se depara com o fantasma de um alienígena, que lhe conta que no espaço existem criaturas amorfas, extremamente poderosas, que ficam simplesmente vagando a deriva, esperando uma oportunidade para expurgar a humanidade, e que os nazistas enviaram a nave para o espaço, contendo um morto, para uma dessas criaturas se anexar ao seu povo. Von Klempt revela para sua neta, que essa criatura vai devastar a Terra, e cabe a ela assistir a destruição de camarote. A criatura escapa da nave, e assimilando vários corpos, se transforma em um gigantesco verme, e Herman Von Klempt, parte para assistir a batalha, entre ela e Hellboy. Enquanto isso, o espírito de Rasputin, convence Inger, a se juntar a ele para dar continuidade aos seus planos.
Em uma batalha que parece ser impossível a vitória de Hellboy, Roger se oferece para aprisionar a criatura dentro dele, para que depois Hellboy lhe destrua. O plano surte efeito, e Roger consegue aprisionar a criatura dentro de si, porém Hellboy se recusa a matá-lo. Os planos de Rasputin são mais uma vez, frustrados por Lagosta Johnson que encontra Inger e a mata. Roger se joga de um abismo, segurando e estilhaçando a cabeça de Herman Von Klempt, dando fim ao vilão. Depois o Lagosta, ajuda Hellboy a exterminar o verme com um relâmpago, salvando assim a vida de Roger, mas quando vão agradecer a ajuda, se deparam com o corpo de Lagosta Johnson, morto a muitos anos.
Um epílogo, mostra Hécate discutindo com Rasputin, e eliminando-o de uma vez por todas... Isso se não levar em conta que Baba Yaga, pegou o último resquício de vida do monge, e guardou consigo...
Em o Verme Vencedor, temos mais uma excelente história sobre Hellboy, que embora não seja crucial para a sua cronologia, traz de volta dois grandes personagens do seu universo: o vilão Herman Von Klempt, a cabeça maluca, que apesar de aparentemente destruída, deixa expectativas quanto ao seu possível retorno; e Roger, o homúnculo que conquistou a todos, nos eventos de Quase um Deus, e segue novamente agradado ao fãs de Mignola, com seu jeitinho “franksteniano” de ser: um monstro, que repudia sua natureza, trilhando seu próprio caminho, buscando uma identidade e um propósito.
Aqui Mignola, cria uma história bem sua, com poucas influências de lendas e mitos, criando um roteiro bem original. Porém não podemos ignorar as referências literárias. Ele que já se mostrou fã de Poe, e Lovecraft, aqui faz mais uma homenagem aos dois. Nos momentos de maior tensão, a história é narrada pelo próprio Edgar Allan Poe, através do seu conto “Ligéia”. Já Lovecraft se mantêm presente, sob a existência dos mitológicos monstros que habitam os confins do espaço, e que guardam a chave do apocalipse. O verme que Hellboy enfrenta, um monstro tentacular gigantesco, é só mais uma das criaturas existentes no panteão craftiniano.

  

Roteiro: Mike Mignola
Arte: Mike Mignola
Editora: Dark Horse, Mythos Editora






Nenhum comentário:

Postar um comentário