sábado, 24 de julho de 2010

Ghouls

Backer deu uma boa golada de seu cantil, e despejou o resto pela cabeça suada, ele estava bastante cansado, pela manhã tinha levado suas cabras para pastar, e agora ao fim do dia, as guiava de volta para o seu pequeno curral. O sol já estava prestes a se por, e essa noite seria noite de lua cheia. Ele conduziu os animais para a lateral da casa, onde os prendeu num cercado de madeira, tinha colocado arame e alguns espinhos no alto, para aplacar o ataque dos lobos, trancou o portão e ficou torcendo para não ter nenhuma perda aquela noite. As pessoas de Smithplain seguiam sua rotina, mas se apressavam para fechar as casas e lacrar portas e janelas; a taberna passara o dia aberta normalmente, mas em noites de lua cheia não costumava fazer hora extra; Elder Smith e Jane Clain fizeram as orações básicas de proteção para a vila, a estalagem continuou funcionando, mas de portas fechadas; animais eram escondidos dentro das casas e as crianças pequenas iam cedo para a cama; enfim essa era a rotina de Smithplain, vilarejo pequeno que ficava a beira de uma densa floresta, que era recanto dos lobos, mas a vida era tranqüila, até aquela noite...
Quando a noite caiu, Backer já estava dentro de sua casa, com tudo trancado. A lua começava a subir deixando toda a cidade à beira da floresta clara, com as sombras fazendo um esforço ínfimo para se imporem na paisagem. Backer estava sentado em sua poltrona, e tinha acabado de encher um copo de leite, quando um uivo cortou o silêncio da noite, e foi seguido por um outro sucessivamente, até que uma cacofonia sinistra tomava conta da noite, como um verdadeiro concerto lupino. 
O ladrar de alguns lobos já podia ser ouvido de dentro da vila, sinal os animais já tinham começado a caça. As cabras faziam muito barulho, e Backer tentava controlar o impulso de sair de casa, mas sabia que isso era no mínimo insensato. Um lobo soltou um uivo alto e prolongado, bem perto da casa de Backer, quando um guincho extremamente alto e estridente, irrompeu da floresta calando o animal. Aquele som, fez Backer gelar até os ossos, e mais e mais guinchos começaram a ressoar pela noite, afugentando todos os lobos.
Nunca antes se tinha ouvido aquele som em Smithplain, o barulho era um chiado estridente, muito parecido com um gemido de desespero, e o mais aterrador era que tinha traços levemente humanos. A curiosidade tomou conta da vila, e Backer pode ouvir janelas sendo destravadas, e algumas pessoas tinham saído de casa, todos queriam saber do que se tratava o som que simplesmente cessou o ataque dos lobos, Backer era uma dessas pessoas.
Backer ameaçou colocar a cabeça para fora: nenhum sinal dos lobos, algumas pessoas faziam o mesmo, algumas outras arriscavam o corpo inteiro para fora, e Backer resolveu sair também. Da frente da sua casa, no meio da rua, ele tinha uma boa vista da floresta, mas mesmo com a claridade do luar, a densa floresta parecia negra e irrepreensível, e só com muito esforço Backer imaginou ter visto alguma coisa se mexendo no negrume da mata. Alguma não, algumas...
Backer franzia o cenho na esperança de enxergar algo, quando um grito lancinante explodiu a poucos metros a sua retaguarda: uma mulher era atacada cruelmente por duas criaturas, um dos monstros rasgava o vestido da mulher, e outro puxava seu braço enquanto lhe aplicava uma mordida, no pescoço já estava deflagrado uma lesão mortal. A violência da cena chocou todos os que presenciaram, afinal todos se conheciam em Smithplain, e ver a filha do estalajadeiro sendo destroçada daquele jeito era assustador para todo mundo, mas antes que qualquer ajuda fosse prestada, uma dezena daquelas malditas criaturas irrompeu da floresta, fazendo que todas as pessoas fugissem para salvar suas vidas.
Aquela foi uma noite que ficou marcada em Smithplain, muitas pessoas morreram naquele dia, e os ataques se tornaram constantes em noites de luar. Os lobos foram substituídos pela aquela horda infernal, e agora era questão de tempo até que o vilarejo fosse completamente destruído.

Continua...


Nenhum comentário:

Postar um comentário